Crônicas da Fê – Selve-se Quem Puder

por Fê Petri

pinturas

E o recomeço é assim. Com todas suas armadilhas, suas arapucas. É a vida garantindo que você é realmente corajoso. Te insere na selva e exige que você encare todos os leões que te aparecem. Por sorte(?), nessa selva habitam e coexistem varias espécies, animais como você, que te fazem entender, que, no fundo, o leão não te abocanha, ele só te encara, te faz medo. Cada novo dia, um novo leão. Uns maiores, mais ariscos, uns menores, mais serenos… Alguns são dóceis e deixa até que você lhe acaricie a cabeça.

Seguimos na selva. Ela está em todo lugar. Porque ela existe em você, não importa em qual parte do mundo você esteja. Mas muitas vezes é preciso estar longe para estar perto. Perto de você mesma. Porque ninguém vai encarar o Rei da Floresta por você.  Cada um já gasta tempo demais tentando domar sua própria alcateia.

Chega a hora que você precisa sair da caverna, tomar seu banho de sol. Seu banho de luz! Porque seguir marcando as rochas, enquanto o sol nasce e se põe lá fora, não te cabe mais. Você acaba ficando cansada de acender sua fogueira, todo santo dia, pra se aquecer. Precisa do calor do sol, o que torna a permanência impossível.

Você resolve encarar a selva lá fora. As montanhas. Os bichos. As corredeiras. Os troncos. O mal tempo. A subsistência. As pedras. A sobrevivência. A selva de pedra. Plantar pra você, colher pra você, e distribuir. Compartilhar.

A abelha entende que o urso precisa do mel.  O urso entende que precisa “dar uma hibernada” para que algumas árvores friorentas produzam seus frutos e flores. Flores estas, que abrigam as abelhas que produzem o mel do urso. Entende?

O que você vai percebendo é que aqui na selva cada um vive do que precisa. No particular. O urso não precisa do mesmo alimento da cobra, do cervo, da onça, dos pássaros. O urso é o urso. Cada um com sua necessidade.O cervo gosta de ficar sobre uma vegetação que a onça tem pavor, não se adapta. Ninguém se torna melhor pelo lugar que habita. Ou pelo alimento que ingere. A onça não curte a vegetação do cervo porque ela não é cervo. É apenas onça. E isso é tudo que ela é. Tudo que ela tem. Perfeito.

É TROCA. É AMBIENTE. É ESCOLHA.

O búfalo cansa de tentar se convencer de que é boi.

A floresta é grande, densa, tensa. Cheia de trilhas, trechos, atalhos… Desbrava-la não me parece fácil. Talvez entender sua própria espécie e dentre outras coisas, aprender a respeitar o fato do morcego não suportar a luz do dia.Vai entender o morcego!

Ele tem vida. Tem papel. Ele aduba. Dá vida. Esse morcego…  Merece meu respeito.

Enfim, uma coisa é certa. Todo mundo nessa floresta “dá uma topada” com alguns(as vezes muitos) leões.Outra coisa é certa. Não se mata o leão. Porque sempre vai existir leão. Aprenda a conviver com eles. Afinal, depois que você sai da caverna e respira, você já não sabe mais hibernar. Isso é necessidade de urso. Ora, em terra de ego, quem respeita isso é REI da Floresta.

 leao