Sonzinho Bom – Let the music take your mind

por Lívia Rios

Let the music take your mind – “Deixe a música tomar sua mente”

jazz

A frase que dá nome à coluna dessa vez, vem da música “Cruisin” (Smokey Robinson, 1979). A faixa foi interpretada posteriormente por Gwyneth Paltrow e Huey Lewis, protagonistas do filme “Duets” (2000), cujo título denuncia a minha escolha de tema para hoje.

Dentre as coisas que eu mais gosto em música, certamente perto do topo da lista, estão os duetos. Ao longo da história da música, muitos artistas juntaram suas vozes e criaram canções memoráveis, que, sem dúvidas, não teriam o mesmo brilho se não fossem executadas por duas vozes.

 Inicialmente, tinha em mente escrever essa coluna com alguns dos melhores duetos de artistas variados, mas eu simplesmente não consegui citar apenas uma canção dessa dupla imbatível.

 Em de agosto de 1956, Ella Fitzgerald se uniu em estúdio a ninguém mais ninguém menos que Louis Armstrong, não para que ele a acompanhasse no trompete, mas para que cantassem juntos.  A ideia de Norman Granz, então produtor “d’Ella” (claro que eu encaixaria uma “gracinha”, haha), formou então uma das mais incríveis parcerias do Jazz, que, no final do ano, levou o álbum “Ella and Louis” à posição 1 da lista de álbuns mais vendidos da Billboard. No ano seguinte, Granz os fez repetir a dose, e lançaram o álbum “Ella and Louis Again”.

ella and louis

 Curiosidades à parte, comecemos com “Cheek to Cheek”. O tema original foi escrito por Irving Berling em 1935 para o filme “Top Hat” (“O Picolino”, no Brasil), no qual Fred Astaire canta a música para Ginger Rogers, enquanto dançam de rostinhos colados. Se tem letra mais fofa do que a dessa música, desconheço!  A versão de Ella e Louis, que está no primeiro álbum,  é bem mais “swingada”, e os vocais poderosos dos dois roubam a cena.

A primeira gravação da próxima canção foi na voz de Frank Sinatra, em 1955.  “Learning the Blues”, música de Dolores “Vicki” Silvers, é tradicional nas “big bands” de jazz.  A versão da dupla em questão hoje faz parte do segundo álbum, e, além da marcante introdução do trompete, merecem destaque os improvisos vocais deles, perto do final.

Como eu acho que todas as canções dessa dupla merecem atenção, deixo aqui pra vocês uma playlist com uma compilação de alguns dos melhores temas!

Aproveitem os vozeirões e até a próxima!
Lívia