Sonzinho Bom – Vozes Femininas

por Aline Resende

mulheres-na-musica

“One good thing about music, when it hits you, you feel no pain… so hit me with music, hit me with music,”

 “Uma coisa boa sobre a música é que, quando ela te atinge, você não sente dor… então me atinja com música, me atinja com música”

 Estreei a coluna citando Stevie Wonder, e dessa vez escolhi citar Bob Marley and The Wailers (Trenchtown Rock, 1973). Não vou falar de reggae dessa vez, porém considero esse trecho muito marcante. Há tempos tenho em meu computador um mp3 de péssima qualidade (sdd Kazaa, #sóquenão, haha) em que Jack Johnson canta uma parte dessa música em um “medley”, junto à “Garden grove” (Sublime, 1992) e “Ring the alarm” (Tenor Saw, 1985). Nessa versão, Jack acrescentou aos versos de Bob:

“ (…) So hit me with music, brutalize me with music! ” – “Então me atinja com música, me brutalize com música! 

 Que sejamos brutalizadas com música!

 Hoje vamos falar de vozes femininas “poderosas”. Desde que comecei a entender mais sobre música, classificação vocal, timbre, e etc., observei que meu ouvido ficou mais seletivo, e, por mais que eu goste e seja aberta a conhecer diversos estilos, algumas vozes não me despertam a vontade de ouvi-las horas a fio como as que vou compartilhar.

 Vou começar com essa linda da Shingai Shoniwa, vocalista da “The Noisettes”. O primeiro nome dela, Shingai, significa “ser ousada / corajosa / forte”, em Chona (grupo de línguas africanas faladas principalmente na metade norte do Zimbabwe). Definida pela revista Rolling Stone como “uma manifestação viva e que respira do espírito rock ‘n roll”, a cantora e baixista varia entre performances às vezes descalça, com pinturas no rosto e chapéus estilosos nos palcos. Ouve só o vozeirão:

  ¯

 A segunda voz que escolhi, “mal conheço e já considero pacas”, haha! A Grace VanderWaal, de apenas 12 anos, é uma cantora, compositora e “ukulelista” (toca ukulele <3 – qualquer semelhança com a colunista que vos fala é mera coincidência!). Ela foi a vencedora do  America’s Got Talent 2016, prêmio mais que merecido, afinal, que timbre! Aqui, a música autoral que ela apresentou na audição dela para o programa:

 Não menos importante, Fiona Apple! Além do vocal peculiar, a também pianista e compositora, chama a atenção com suas melodias muito bem trabalhadas e letras metafóricas, com temática psicológica. Tudo isso a levou a ganhar seu primeiro Grammy com menos de 20 anos.

Com timbres igualmente atraentes, as cantoras Duffy e Gabriella Cilmi também merecem atenção!

Como tendi a mostrar vozes mais contemporâneas, aqui vão sugestões de outras vozes maravilhosas, não necessariamente da atualidade, para ouvirem por conta própria:  Sade, Laurin Hill, Tina Turner, Esperanza Spalding.

cantoras

Tomara que apreciem o momento “Girl Power”! Beijos, e até a próxima!!

Fotos e texto: Lívia Rios